6 de out de 2009

SILÊNCIO...


Doce silêncio noturno,
Que acalenta meu desejo,
E me enche de esperança;
Este suave som acalma minha alma,
Na lembrança tão augusta dos anseios,
Escondidos em meu coração de criança.

Ouço o som noturno;
Para mim é como silêncio,
Eis os grilos à cantar,
E os répteis tentam imitar;
Os perros que latem, param...
Para escutar sua própria agitação.

Tudo para mim é silêncio.
Tudo isto é noite.

Nenhum comentário: