12 de abr de 2013

Seca: programas sociais ajudam mas não evitam caos!

 
A rede de proteção social que inclui programas de transferência de renda dos governos federal e estaduais tornou menos dramáticos os impactos da seca no cotidiano da população do Nordeste, mas ainda é incapaz de impedir que a economia local entre em verdadeiro colapso durante períodos de longa estiagem. A avaliação é de pesquisadores e autoridades ouvidas pelo Estado, que identificou em Pernambuco, Bahia e Alagoas uma realidade atenuada, mas ainda bastante difícil para o sertanejo que enfrenta a maior seca das últimas décadas na região. 
Na terça-feira passada (2/4), em visita a Fortaleza (CE), a presidente Dilma Rousseff afirmou que, graças às ações de seu governo e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, “a face da miséria nessa região não foi acentuada tão perversamente pela estiagem”. Para o professor João Policarpo Lima, do Departamento de Economia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), a aposentadoria rural e projetos como o Bolsa Família e o Bolsa Estiagem dão às famílias do campo, de fato, uma alternativa à produção agrícola quando as condições climáticas ficam desfavoráveis, mas a quebra de safras e a morte de rebanhos provocam efeitos duradouros na economia local. (Do Estado de S. Paulo)

Um comentário:

António Jesus Batalha disse...

Amigo e irmão. É para mim uma honra estar no seu blog,
poder ver e ler as belas palavras aqui contidas.
Seu blog é uma benção, fiquei maravilhado,
seu amor a Jesus nota-se nas palavras escritas,
continue a ser esta grande benção,
a deixar-se usar pelo grande Oleiro.
Deixo a paz de Jesus.
António.